Sonhos de Maribell

Um lugar onde a imaginação é o limite.

Indicação da Semana por Maribell

Romeu e Julieta e Vampiros X Jane Austen, A Vampira

Antes de fazer a resenha própriamente dita, preciso fazer um comentário de uma situação bem óbvia, que com certeza já notaram ou viram discutidas em jornais, revistas, blogs e internet em geral. Há bastante tempo estamos passando pela invasão em massa de livros com temática sobrenatural, especialmente vampiros. São tantos que chego a ficar tonta com a velocidade com que surgem, especialmente para quem é fã como eu, desse ser imortal e charmoso. Porém preciso dizer, quantidade não significa qualidade, então o que vejo de porcaria é impressionante. Sou obrigada a exercitar ainda mais meu espírito crítico ao selecionar alguma coisa que acrescente algo interessante, seja original ou pelo menos criativo e bem escrito.

Ao entrar numa livraria me senti submersa por uma onda gigantesca formada por versões melhoradas ou pioradas de clássicos como Drácula, cópias mal feitas de modismos como Crepúsculo (sou fã da saga, mas sou obrigada a concordar que a mídia transformou o fenômeno num monstro de consumo insaciável, diferente do nosso doce Edward sempre tão comedido), ou ainda recriando, algumas vezes com sucesso, personagens clássicos da literatura, transformados nesses seres sanguessugas.

E é esta última situação que vou comentar hoje, dando um exemplo do que em minha opinião funcionou e não funcionou.

O primeiro livro me chamou a atenção pelo título, Romeu e Julieta e Vampiros (Claudia Gabel), sugestivo e atraente, não? E também pela capa que achei muito bonita, adorei essa imitação de pintura antiga, mas feita com pinceladas rápidas, cores fortes num clima sombrio e ligeiramente esfumaçado, mostrando o casal principal em uma pose que já mostra claramente o conflito que viverão. Ao ler a sinopse dessa nova e suposta audaciosa versão do clássico de Shakespeare, fiquei empolgada, afinal Julieta e sua família passam a pertencer ao clã dos vampiros, enquanto Romeu está no lado oposto, humano e pertencente ao clã dos caçadores de vampiros. Pensem comigo, tinha tudo pra dar certo, não? Famílias inimigas, amor proibido, personagens e história famosas recriadas num clima místico. Pois é, podia dar certo, mas não deu. É com muita tristeza que digo que achei chato, com situações monótonas, texto cansativo e personagens sem nenhum carisma. Mesmo que uma das personagens seja uma criada chamada Maribel, nem ela me fez empolgar. Shakespeare deve estar se revirando no túmulo.

Sinopse:
“Os Capuleto e os Montéquio têm diferenças profundas e significativas. Diferenças de sangue. É claro que os Capuleto podem escapar de sua sina de vampiros, assim como os Montéquio podem tentar não matar seus inimigos mortos-vivos. Mas no fim das contas, não há como deter a rivalidade mortal que existe entre eles. Problemas sérios surgem quando Julieta, prestes a tornar-se vampira, e Romeu, o humano que deveria caçá-la, apaixonam-se desesperadamente. Não fazem idéia do perigo que esse amor representa ― ou do que acabará acontecendo com suas vidas… Essa guinada turbulenta na maior história de amor proibido de todos os tempos é de matar de emoção.”

O segundo livro: Jane Austen, A Vampira (Michael Thomas Ford) também me chamou a atenção pela capa, adorei a pintura dessa dama antiga com a mordida no pescoço, bem atraente. E o título já fala bem do que se trata, a versão vampirizada da vida da famosa escritora Jane Austen. Agora a notícia boa! Que livro legal! Este é o que chamo de uma leitura divertida, pois me garantiu momentos descontraídos e boas risadas. Soma-se a isso momentos de suspense, romance e mistério. Sem falar que me identifiquei imediatamente com essa vampira, que nos tempos modernos mudou seu nome pra Jane Fairfaix, tornando-se dona de uma livraria, morando numa cidade do interior dos EUA e que vive o triste dilema de tentar esconder sua verdadeira natureza da comunidade onde vive. Ela também procura não se relacionar com nenhum homem humano já que ela é imortal e teria que ver seu amado morrer algum dia (ela se recusa a transformar qualquer pessoa em vampiro, mesmo o homem que ama em segredo), e ainda tentar publicar um livro que ao longo dos séculos já foi recusado por mais de 100 editoras (achei essa uma sacada esperta do autor, colocando a famosa Jane Austen do passado, lutando para fazer sucesso no mundo literário moderno). A trama começa a ganhar velocidade, quando alguns fatos acontecem, como quando uma editora finalmente aceitar publicar seu livro (me identifiquei muito aqui, principalmente quando ela fica dividida entre euforia e loucura quando o livro começa a ser formatado por um editor empolgadão, rsrs…). E o toque de mistério começa quando chega a cidade um homem bonito, misterioso e sedutor, logo vamos descobrir se tratar de Lord Byron, outro autor de clássicos, que foi o vampiro que no passado seduziu e transformou a jovem Jane no que ela é hoje e ele volta cheio das piores intenções. Mesmo vivendo nesse turbilhão de acontecimentos, o que me encantou na personagem foi seu incrível bom humor mesmo ao lidar com situações dramáticas, cheguei a rir alto com suas tiradas irônicas. Só tenho uma observação a fazer, o final é um tanto abrupto, termina a história de um jeito que permite bem uma continuação. Na verdade, Jane, A Vampira me cativou e quando acabou fiquei com saudade dessa minha nova e divertida amiga.

Sinopse:
“Segundo este livro, a autora de Orgulho e Preconceito e outros clássicos do século XVIII não morreu, mas vive hoje numa cidadezinha no interior do estado de Nova York. Dona de uma livraria, vive frustrada por não receber os direitos autorais e ter o reconhecimento de suas obras de sucesso. Em Jane Austen – A vampira, ela mudou o nome para Fairfax e sobrevive há 233 anos, porque foi mordida por um vampiro, quando se tornou imortal. Entre romances com o Lord Byron, que também é um vampiro, e tentativas frustradas de publicar um novo livro, Jane Austen, ou melhor, dizendo, Jane Fairfax, envolve o leitor em uma divertida viagem ao universo literário, com personagens de outras histórias, de maneira inteligente e divertida!”

PS: Somente essa semana como o post ficou muito grande dividi as indicações em posts diferentes.

Anúncios

3 Respostas para “Indicação da Semana por Maribell

  1. Carol Andrade 22/07/2011 às 11:34

    Mari, adorei a ideia de mostrar dois livros com ideias parecidas e dizer por que um deu certo e o outro não.

    Fiquei bem decepcionada quando você disse que Romeu e Julieta e Vampiros é “chato, com situações monótonas, texto cansativo e personagens sem nenhum carisma”.
    Nunca li o livro original porque já sei o fim; não aguentaria acompanhar a história deles sabendo o trágico final que os aguarda.
    Entretanto acho essa uma das histórias mais lindas e comoventes que existem. Somada ao sobrenatural, esperaria um livro cativante e inovador. =/

    Adorei, como você disse, a sacada que o autor teve de colocar Jane Austen lutando para publicar um livro, quando todos sabemos que ela é considerada uma das maiores escritoras de todos os tempos.
    Nem consigo imaginar como você deve tre se identificado com a personagem. Rs.
    Imagino o encontro de Jane e seu criador e sua luta para nãos e envolver com um humano e, consequentemente, transformá-lo ou vê-lo morrer.
    Além disso, adooro livros com personagens irônicas que mantêm a alegria e encaram situações difíceis com bom humor.

    Obrigada pela boa indicação e por “alertar” sobre RJV (eu corria o risco de comprá-lo, entediar-me e arrepender-me, segundo sua resenha).

    Adorei.
    Beijos. 😉

  2. Larissa Souza 22/07/2011 às 17:30

    Poxa , adorei o que você escreveu nesse post , ficou interessante.
    Me surpreendi também que “Romeu e Julieta e Vampiros” não é tão bom quanto aparenta ser , porque pela sipnose é de se esperar uma história muito boa. Porém esse não é o primeiro livro que se deixa enganar pela capa e pela sipnose . Há muitos desse jeito , que quando vamos ler a história , não é tão boa , infelizmente , porque isso nos frusta -/
    Já tinha visto esse livro sobre Jane , mas nunca li , e gostei do pouco que você postou aqui , concerteza irei ler . E a capa é realmente linda !
    Adorei!

    Beeijo Mari.

  3. Mariana 24/07/2011 às 17:19

    Hei, Mari!
    Como vai, querida?

    Então, tenho que te agradecer e parabenizar por fazer um post como esse, com uma indicação e uma contra-indicação – é ótimo saber a opinião de outras pessoas sobre livros, seja ela qual for.

    Eu tenho que confessar que eu, sozinha, nunca iria ler nenhum desses livros por puro preconceito, mas vendo aqui a sinopse, realmente, ambos parecem divertidíssimos e super bem pensados, inclusive ‘Jane Austen, A Vamapira’ já está na minha colossal lista de livros à serem lidos, pois além de ser a indicação, a sinopse e a sua crítica me deixaram super interessada.

    As críticas sobre as capas foram ótimas e concordo contigo principalmente sobre a 2ª, é fantástica!

    Beijão,
    Mari n°2.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: