Sonhos de Maribell

Um lugar onde a imaginação é o limite.

Natal é Amor

Hi, ladies and gentlemen!

A amizade verdadeira, o elogio sincero e o carinho felizmente fazem parte da vida. Assim como fazem parte a traição, a indiferença e a incompreensão. Existe oposição em todas as coisas.

Quando escrevi Amor no Ninho e resolvi publica-lo, eu sabia que estava expondo minha cara a beijos ou a tapas. Ou seja, elogios ou críticas. E convivo bem com isso, afinal gosto é algo absolutamente pessoal, aquilo que amo, você pode odiar. Felizmente até momento, meu livro tem recebido mais beijos que tapas, mas depois de receber um tremendo “tabefe” ontem, fiquei inspirada a escrever algo, meio desabafo, meio esclarecimento, meio aviso.

Escrevi Amor no Ninho, ao final de um tremendo processo de crise pessoal que levou ao fim do meu casamento. Momento duro, confesso. Então, quando a história foi desenvolvida, tudo o que eu queria, tudo o que eu precisava era escrever uma história que demonstrasse um amor ABSOLUTO, INTENSO E VERDADEIRO. Porque como vocês sabem, sou uma romântica congênita, então para mim necessito de duas coisas para viver, oxigênio e amor. O primeiro encontramos com facilidade, afinal está em todo lugar, já o segundo vem a nosso encontro de tempos em tempos, de variadas formas e de maneiras diferentes, por isso bem mais difícil de identificar. E sempre fui dada a extremos, se não posso ter tudo, prefiro não ter nada. (Sim, minha mãe sempre reclamou que sou uma garota radical, rsrs…).

Bem, voltando a questão da temática do livro, minha proposta desde o início foi escrever sobre AMOR E PAIXÃO. Encontrei definições muito interessantes no dicionário sobre os dois termos, vejam só:

Amor: “Intensa inclinação, de caráter afetivo ou sexual por outra pessoa”.

Paixão: “Sentimento intenso, que se sobrepõe a razão. Inclinação afetiva e/ou sensual intensa”.

Resolvi colocar essas definições por um simples motivo, caso você tenha dificuldade em ler um livro que tenta traduzir uma relação que expressa exatamente esses dois sentimentos, não leia Amor no Ninho. Amor no Ninho é para quem espera da vida mais do que uma relação amorosa morna e rotineira. Escrevi Amor no Ninho para todos aqueles que acreditam que podem e merecem viver o amor e a paixão em sua plenitude. Para todos que não se contentam com menos. E para aqueles que se ainda não viveram algo assim, sonham em fazê-lo.

Então se você for NDAA (nenhuma das alternativas acima), pense duas vezes antes de ler Amor no Ninho, se não o fizer, entendo e aceito bem a sua escolha. E se o fizer, o faça de coração aberto e sem preconceito. Aceitarei numa boa, termos objetivos diferentes na vida, já o preconceito com a arte e sua forma de expressão, esse para alguém que se propõe resenhar livros, isto é, ter visão imparcial sobre literatura, é uma falta gravíssima.

Como diria meu mestre e grande amigo, Fernando Pessoa: “O essencial é exprimir; o que se exprime não interessa”.

Acho que essa não é bem a mensagem de Natal que todos esperavam ler aqui no blog, mas se o Natal é uma festa de amor, amor a Deus, a família, aos amigos, aos vizinhos, a humanidade, a alguém especial, acho que talvez não tenha me saído tão mal assim, ao escolher falar sobre esse sentimento que move o universo.

Sendo assim, desejo Feliz Natal e um dia abençoado a todos!

Bjks,

Maribell

3 Respostas para “Natal é Amor

  1. Silvia Sacra 24/12/2011 às 10:31

    A primeira pergunta que me fiz foi: essa pessoa que escreveu a resenha leu o livro? Nunca vi deturpação tão perfeita de uma história.
    Sim, pois eu não reconheci o livro que li em nenhuma linha dessa resenha. O Daniel e Marina do livro são duas pessoas tão puras que eu nunca conseguiria vê-las como vulgares. Amar é vulgar? Sexo é vulgar? É a primeira vez que escuto que sexo entre duas pessoas que se amam é vulgar, não que a historia se baseie em sexo, longe disso. Minto, já ouvi isso de pre-adolescentes e adolescentes que ainda não entraram em contato com sua sexualidade e solteiras recalcadas e reprimidas.
    A história trata de amor, amor do menino que acha que sua nova” irmã” é uma fadinha. Amor de uma pre-adolescente romântica. Amor puro, ingenuo, que cresce e se transforma. o sentido do amor é se transformar em algo físico. eles fizeram alguns coisas erradas para viver esse amor? Dependendo do ponto de vista sim, mas grandes clássicos da literatura se pautaram nisso. Pense em como Romeu e Julieta foram cruéis com suas famílias?? Egoísta, nunca pensaram em seus pais.
    Outra coisa, apesar de não ser comum , adotarem crianças crescidas, há loucos nesse mundo que acredito no ser humano e acham que criança é sempre criança… Acredito que os pais de Daniel não eram preconceituosos como algumas pessoas que se propõe a formar opinião.

  2. narjarapedroso 27/12/2011 às 19:00

    Mari, uma das qualidades que você tem e que eu admiro muuuito é essa força para superar obstáculos.
    Adorei seu desabafo natalino (rsrsrs). É assim que a gente supera as dificuldades, colocando para fora. Porque, engolir sapo, Deus me livre!
    Posso estar sumida, mas continuo torcendo pelo sucesso de Amor no Ninho.
    Conte comigo sempre, amiga!
    Bjim mineiro cheio de saudade *.*
    Narjara

  3. GDM 05/01/2012 às 00:32

    Oi! Eu queria de desejar um bom ano ( meio atrasado haha, mas é com carinho) e saber se tem previsão para o lançamento da continuação de Amor no Ninho ( que está maravilhoso!!!) e se você vai desistir de escrever AFI, não que seja sua obrigação, mas a estória é muito boa, por favor vê se faz uma forcinha para escrever!!!!!!!! bejinhos

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: